Rodeio: um mal desnecessário

Publicado em 20 - mar - 2015 Categoria: Proteção animal


Warning: file_get_contents() [function.file-get-contents]: php_network_getaddresses: getaddrinfo failed: Name or service not known in /home/flora574/public_html/wp-content/plugins/sharify/admin/sharify_count.php on line 24

Warning: file_get_contents(http://urls.api.twitter.com/1/urls/count.json?url=http://www.floraisecia.com/rodeio-um-mal-desnecessario/) [function.file-get-contents]: failed to open stream: php_network_getaddresses: getaddrinfo failed: Name or service not known in /home/flora574/public_html/wp-content/plugins/sharify/admin/sharify_count.php on line 24

Autor: Martha Follain

Patas de touro paralisam em torneio internacional de Barretos de 2011

Peão James Willian Marris em BARRETOS – 2011. As duas patas traseiras de um touro travaram na noite deste sábado (27) durante o Barretos International Rodeo. O público na noite era estimado em 50 mil pessoas. O animal tentava se levantar, mas estava com as patas paralisadas e saiu da arena se arrastando pelas patas dianteiras.
Silva Junior/Folhapress
Copyright Folha.com.
O rodeio teve origem nos EUA. Em meados de 1800, os colonos norte americanos, depois de vencerem a guerra contra o México, adotaram os costumes de origem espanhola, entre eles as festas mexicanas e a doma de animais. A união destas duas atividades resultou no rodeio. A primeira prova oficial foi realizada em 1869, na cidade de Colorado, no Texas.
No Brasil, o rodeio surgiu em 1956, na cidade paulista de Barretos. Em 1955, a cidade possuía a pecuária como maior atividade econômica. Quando descansavam, os peões da região costumavam testar suas habilidades na lida com o gado.
Rodeio é considerado uma prática recreativa (??????) que consiste em um “peão” permanecer por até oito segundos sobre um animal, usualmente um cavalo ou boi. A avaliação é feita por dois árbitros cuja nota é de 0 a 50 cada; um árbitro avalia o competidor e o outro avalia o animal, totalizando a pontuação de 0 a 100.
Há tantos e tantos artigos muito bem escritos, execrando essas “competições”, fotos de crueldade explícita contra bezerros, cavalos e bois… E por que ainda há público para esses festivais?

No mesmo rodeio César Brosco dominando (?) o bezerro que ficou tetraplégico e teve que ser sacrificado. A violência dos rodeios não tem fim. Mas o que é isso? É diversão ou cruéis e covardes combates? Estamos voltando aos “jogos” romanos, aos “panis et circenses”, para desviar a sociedade dos desmandos de seus governantes? O que estamos fazendo agora, martirizando animais que são obrigados a lutar, pular (apavorados), por aqueles que buscam “diversão”? Não seriam muito mais “vibrantes” lutas de peão contra peão? Mas deixem os animais de fora!!! Ah, quanta “coragem” do “peão” em aleijar um bebê de 4 meses!!!!! As entidades protetoras de animais afirmam que irão recorrer à polícia e ao Ministério Público para que o incidente seja investigado.
E, o que é ser “peão” nestas vergonhosas “celebrações? É uma profissão? É um “atleta”, um matador? São os “palhaços” desses festivais de ganância?
Segundo a Drª Irvênia Prada, os eventos padrão de um rodeio incluem laçar um bezerro, corpo a corpo com um novilho, montar um cavalo e um touro sem arreios, selar um potro chucro e ordenhar uma vaca selvagem. Os animais usados nos rodeios são artistas prisioneiros, a maioria dócil, mas compreensivamente desconfiados dos seres humanos devido ao tratamento áspero que receberam. Muitos desses animais não são agressivos por natureza; eles são físicamente forçados a demonstrar um comportamento selvagem para fazer os cowboys parecerem corajosos. Os organizadores de rodeios alegam que o animal trabalha apenas por oito segundos, como se não houvesse centenas de horas de treinos não supervisionados, muitas vezes, com o mesmo animal. Eles contestam também que os animais utilizados são selvagens e que pinoteiam por índole. Caso fosse verdade o sedem não seria necessário e o animal não pararia de pular após a retirada do mesmo.
Segundo a Dra.Irvênia Prada, que foi por muitos anos Professora Titular da Faculdade de Medicina da USP e tendo mais de uma centena de trabalhos publicados em Anatomia Animal, ao observar as fotos dos animais em plena atividade no rodeio declarou: “os olhos dos animais mostram uma grande área arredondada, luminosa, consequente à dilatação de sua pupila. Na presença de luz, a pupila tende a diminuir de diâmetro (miose). Ao contrário, a dilatação da pupila (midríase) acontece na diminuição ou ausência de luz, na vigência de processo doloroso intenso e na vivência de fortes emoções (medo, pânico) e que acompanham situações de perigo iminente, caracterizando a chamada Síndrome de Emergência de Canon. No ambiente da arena de rodeio, o esperado seria que os animais estivessem em miose, pela presença de luz. Assim, a midríase que exibem é altamente indicativa de que estejam na vigência da citada Síndrome de Emergência, o que caracteriza o sofrimento mental.”
Provas
RODEIOS; CULTURA E ESPORTE OU PRÁTICA CRUEL E DESPROVIDA DE IDENTIDADE?
Autor: Renata de Freitas Martins
Laçada de bezerro: animal de apenas 40 dias é perseguido em velocidade pelo cavaleiro, sendo laçado e derrubado ao chão. Ocorre ruptura na medula espinhal, ocasionando morte instantânea. Alguns ficam paralíticos ou sofrem rompimento parcial ou total da traquéia. O resultado de ser atirado violentamente para o chão tem causado a ruptura de diversos órgãos internos levando o animal a uma morte lenta e dolorosa.
Laço em dupla/team roping: dois cowboys saem em disparada, sendo que um deve laçar a cabeça do animal, e o outro as pernas traseiras. Em seguida os peões esticam o boi entre si, resultando em ligamentos e tendões distendidos, além de músculos machucados.
Bulldog: dois cavaleiros, em velocidade, ladeiam o animal que é derrubado por um deles, segurando pelos chifres e torcendo seu pescoço.

Ferramentas de Tortura
Agulhadas elétricas, um pedaço de madeira afiado, unguentos cáusticos e outros dispositivos de tortura são usados para irritar e enfurecer os animais usados nos rodeios, com o objetivo de mostrar um “bom show “para a multidão.
Sedem ou sedenho: é um artefato de couro ou crina que é amarrado ao redor do corpo do animal (sobre pênis ou saco escrotal) e que é puxado com força no momento em que o animal sai à arena. Além do estímulo doloroso pode também provocar rupturas viscerais, fraturas ósseas, hemorragias subcutâneas, viscerais e internas e dependendo do tipo de manobra e do tempo em que o animal fique exposto a tais fatores, pode-se evoluir até o óbito.
Objetos pontiagudos: pregos, pedras, alfinetes e arames em forma de anzol são colocados nos sedenhos ou sob a sela do animal.
Peiteira e sino: consiste em outra corda ou faixa de couro amarrada e retesada ao redor do corpo, logo atrás da axila. O sino pendurado na peiteira,contitui-se em mais um fator estressante pelo barulho que produz à medida em que o animal pula.
Esporas: às vezes pontiagudos, são aplicados pelo peão tanto na região do baixo-ventre do animal como em seu pescoço, provocando lesões e perfuração do globo ocular.
Choques elétricos e mecânicos: aplicados nas partes sensíveis do animal antes da entrada à arena.
Terebintina, pimenta e outras substâncias abrasivas: são introduzidas no corpo do animal
Golpes e marretadas: na cabeça do animal, seguido de choque elétrico, costumam produzir convulsões no animal e são o método mais usado quando o animal já está velho ou cansado. Esses recursos que fazem o animal saltar descontroladamente, atingindo altura não condizente com sua estrutura, resultam em fratura de perna, pescoço e coluna, distensões, contusões, quedas, etc.
Fazendo Frente ao Mito
Num estudo conduzido pela Humane Society of the United States, dois cavalos conhecidos pelos seus temperamentos gentis foram submetidos ao uso da cinta no flanco. Ambos pularam dando coices até a cinta sair. Então vários cavalos do circuito de rodeio foram liberados dos currais sem a cinta no flanco e não pularam nem deram coices, mostrando que o comportamento selvagem e frenético dos animais é induzido pelos cowboys e promotores dos rodeios.
O Fim da Trilha
O médico veterinário Dr. C.G. Haber, que passou 30 anos como inspetor federal de carne, trabalhou em matadouros e viu vários animais descartados de rodeios sendo vendidos para abate. Ele descreveu os animais como “tão machucados que as únicas áreas em que a pele estava ligada à carne eram cabeça, pescoço, pernas e abdome. Eu vi animais com 6 a 8 costelas quebradas à partir da coluna, muitas vezes perfurando os pulmões. Eu vi de 2 a 3 galões de sangue livre acumulado sobre a pele solta. Estes ferimentos são resultado dos animais serem laçados nos torneios de laçar novilhos ou quando são montados através de pulos nas luta de bezerros.” (1)
Os promotores de rodeio argumentam que precisam tratar seus animais bem para que eles sejam saudáveis e possam ser usados. Mas esta afirmativa é desmentida por uma declaração do Dr. T.K. Hardy, um veterinário e às vezes laçador de bezerros, feita à revista Newsweek: “Eu mantenho 30 cabeças de gado para prática, a U$200 por cabeça. Você pode aleijar três ou quatro numa tarde… É um hobby bem caro.” (2) Infelizmente existe um fornecimento constante de animais descartados à disposição dos promotores de rodeios os quais tiveram seus próprios animais esgotados ou irremediavelmente feridos. Conforme o Dr. Harber documentou,os circuitos de rodeio são apenas um desvio na estrada dos matadouros.
Escolhas e Oportunidades
Embora os cowboys de rodeio voluntariamente arrisquem-se a sofrer injúrias nos eventos em que participam, os animais que eles usam não têm esta escolha. Em 1986, no rodeio de Calgary em Alberta no Canadá, um dos maiores rodeios da América do Norte, oito cavalos foram mortos ou fatalmente feridos num acidente numa corrida de carroças. Pelo fato da velocidade ser importante em vários rodeios, o risco de acidentes é alto.
Bezerros laçados quando estão correndo a mais de 27 milhas por hora, têm seus pescoços tracionados para trás pelo laço, geralmente resultando em injúrias no pescoço e costas,contusões, ossos quebrados e hemorragias internas. Bezerros ficam paralíticos devido à lesão de coluna vertebral ou suas traqueias ficam parcialmente ou totalmente machucadas.(3) Bezerros são usados apenas em um rodeio antes de voltarem ao rancho ou serem sacrificados devido aos ferimentos.(4)
Os cavalos dos rodeios geralmente desenvolvem problemas de coluna devido aos repetidos golpes que sofrem. Devido ao fato de cavalos não ficarem normalmente pulando para cima e para baixo,existe também o risco de lesão das patas quando o tendão se rompe.
As regras da associação de rodeios não são eficazes na prevenção de lesões e não são cobradas com rigor, nem as multas são severas o bastante para evitar maus tratos. Por exemplo, se um bezerro é ferido num torneio, a única punição é que o laçador não poderá laçar outro animal naquele dia. Se o laçador arrastar o bezerro, ele poderá ser desclassificado. Não há regras protegendo os animais durante as provas e não há nenhum observador objetivo ou exames requisitados para determinar se um animal foi ferido num evento.(6)

PÁRA O MUNDO QUE EU QUERO DESCER!!!!!!!!
NÃO PODEMOS MAIS ACEITAR ESSAS ABERRAÇÕES QUE TÊM O NOME DE “RODEIOS”.

Notas
1.Human Society of the United States, interview with C.G. Haber, DVM (Rossburg, Ohio),1979
2.”Rodeo :American Tragedy or Legalized Cruelty?” The Animals Agenda, March 1990
3.Dr. E.J. Finocchio, DVM, Letter to Rhode Island State Legislature. Feb. 28, 1989
4.”Rodeo Critics Call It “Legalized Cruelty”, San Francisco Chronicle, June 25, 1981
5.Lipsher, Steve, “Veterinarian Calls Rodeos Brutal to Stock” Denver Post, Jan 20, 1991
6.Schmitz, Jon “Council Bucks Masloff’s Veto On Rodeo Bill” Pittsburgh Press, Nov27, 1990
Fonte: SUIPA – Sociedade União Internacional de Proteção aos Animais
PETA – People for Ethical Treatment of Animals
Tradução: Luiziania de C.M.de Barros
Banner ilustração – Lenita Ouro Preto – S.O.S Animais
http://www.morroagudorodeio.com.br/pagina/artigo/?pagina=4

http://panelinhabelezera.vilabol.uol.com.br/historia_do_rodeio.html

A FARSA CULTURAL! … A origem do Rodeio

O Rodeio é uma prática que surgiu no Estados Unidos da América, no século XVII, logo após a vitória da guerra do EUA contra o México. Foi nesta época que os colonos norte-americanos adquiriram um costume de origem espanhola praticadas pelos mexicanos.

Com o passar do tempo, o rodeio foi adquirindo as características que conhecemos atualmente. Tendo sua prática sido desenvolvida e incentivada nos EUA, no final do século XIX, onde boiadeiros exibiam suas “proezas” e com isso ganhavam status e apostas.
Entre 1890 e 1910 o rodeio foi surgindo como entretenimento público em vários eventos do oeste, celebrações de ação de graças e convenções pecuárias.

E até mesmo lá, esta prática não tem sido considerada cultural e já é ilegal em 15 cidades e em seus territórios entre elas Fort Wayne (Indiana) e Pasadena (Califórnia).

No Brasil, diferentemente do que dizem, está prática não tem nada de cultural e, é uma cópia da cultura norte-americana, já que os primeiros bovinos que existiram por aqui não serviam para rodeios.
Algumas cidades brasileiras já tornaram proibidos os rodeios como; São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Sorocaba (SP), Guarulhos (SP), Jundiaí (SP), Campinas (SP) etc. Há, ainda, diversas ações judiciais julgadas procedentes.

Infos para o texto, retirada de uma ação contra rodeios, maravilhosamente realizada pela Dra. Renata de Freitas Martins, onde já conseguiu proibir montaria em rodeios em algumas cidades. Parabéns Dra!

Foto retirada do site www.blogdosbichos.blogs.sapo.pt/286803.html

www.doidaporlegumes.wordpress.com
http://www.fotolog.com.br/vida_vegetariana/13458140